O INEVITÁVEL CAMPEÃO

TINTO PORTUGUÊS É O VENCEDOR DA DEGUSTAÇÃO ÀS CEGAS DO GULA WINE SHOW
POR PEDRO LANDIM

10121 10230 10147

Após a prova às cegas da bela seleção dos 18 vinhos de diversas partes do mundo, quando o timaço de degustadores terminou a apuração, o título apontava para a garrafa de número 10, o mesmo que estampa a camisa dos grandes craques. Revelada a identidade da garrafa, a confirmação de um imenso talento como campeão da segunda edição do Gula Wine Show: o tinto Casa Santa Vitória Inevitável 2007, português do Alentejo, trazido pela importadora Vila de Arouca.

A degustação às cegas antecedeu o animado evento que lotou, na terça-feira (01/09), o anexo do restaurante Prado.co, no Jockey Club, Zona Sul do Rio, e contou com júri de primeira linha: Alexandre Lalas, editor de Vinhos da Gula; o chef Danio Braga, dono da Locanda della Mimosa e fundador da Associação Brasileira de Sommeliers; Ricardo Farias, presidente da ABS-Rio; e os sommeliers Dionísio Chaves e Paulo Nicolay.

O rótulo vencedor, de nome curioso e estilo moderno – destacando à boca estrutura e concentração -, confirmou sua categoria ao subir novamente no pódio, já que havia vencido a primeira edição do Gula Wine Show na votação popular. Na mesa degustadora do Prado.co, o segundo lugar ficou com o Bremerton Malbec 2001, uma surpresa australiana, e a medalha de bronze foi para o português Quinta de S. Sebastião Reserva 2011, ambos da importadora Ruby Wines/Ollin.

 

Ranking dos 10 Primeiros Colocados

1º – Casa Santa Vitória Inevitável 2007. Portugal. www.viladearouca.com.br
2º – Bremerton Malbec 2001. Austrália. www.rubywines.com.br
3º – Quinta de S. Sebastião Reserva 2011. Portugal. www.rubywines.com.br
4º – Santa Vitoria 2012. Portugal. www.viladearouca.com.br
5º – Avondale Shiraz 2009. África do Sul. www.vinhosdomundo.com.br
6º – Obra Prima Malbec. Argentina. www.familiacassone.com.br
7º – Alto de La Ballena 2011. Uruguai. (empate) contato@vinhomix.com.br
7º – Quinta do São João Batista. (empate) www.domno.com.br
8º – Alvarinho Quinta do Melgaço. www.viladearouca.com.br
9º – Obra Prima Maximus. Argentina. www.familiacassone.com.br

Novidades a Cada Safra

O representante da vinícola Casa de Santa Vitória, Tiago Vilarinho, explicou a origem do nome do campeão: “O enólogo Bernardo Cabral busca um perfil diferente a cada safra. Só fazemos o Inevitável em anos de colheitas especiais, num corte das duas melhores uvas do momento. Independentemente de quais elas sejam, a grande qualidade do produto é inevitável”, disse Tiago, presente no Gula Wine Show.

O Inevitável passa 14 meses em barricas de carvalho francês, e mais 18 na garrafa antes de chegar às prateleiras. A seleção das uvas é feita na adega, com a vindima manual, e a filtragem densa que mantém sedimentos. No Brasil por de R$ 270.

“Portugal surpreendeu de novo numa degustação de boa consistência. O vencedor tem enorme qualidade, já havia se destacado no último evento e isso não acontece ao acaso”, comentou Danio Braga.

“Os vinhos do Alentejo, pessoalmente, não me agradam. Mas esse tem um grande equilíbrio, é elegante, com boa acidez, me surpreendeu”, disse Paulo Nicolay.

Dionísio Chaves destacou a qualidade da seleção de garrafas: “Saímos da mesmice, com castas que conhecemos bem, mas se expressando de outra forma entre os vinhos degustados”, afirmou o sommelier.

E Alexandre Lalas completou: “Os portugueses dominaram de novo. Foi uma degustação uniforme, bem disputada, lembrando sempre que o resultado é uma ‘polaroid’ do momento em que provamos cada vinho, não é para ser tomado como verdade absoluta”.

Transcrito: http://gula.com.br/noticia/o-inevitavel-campeao-do-alentejo/#primary